Governo quer formar 500 mil professores em Educação Financeira

-

- PUBLICIDADE -

Gastar menos do que recebe e ainda fazer uma poupança com parte do salário se aprende em sala de aula. 

Esse conceito faz parte do programa “Educação Financeira na Escola”, que foi lançado, na última terça-feira (17), pelo Ministério da Educação em parceria com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

Agora, para que esse assunto faça parte da grade curricular dos alunos, o programa vai treinar primeiro os professores. 

A previsão é de que 500 mil docentes do 9º ano do ensino fundamental e da 1ª série do Ensino Médio, das redes públicas e privadas, incluindo as escolas cívico-militares, sejam capacitados nos próximos três anos. 

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou:

“A iniciativa começa treinando os professores, mas o objetivo que queremos chegar é dar o conhecimento aos alunos para que eles possam fazer escolhas.”

A formação dos professores será realizada de forma gradativa. No primeiro ano serão 75 mil; 250 mil no segundo ano e 175 mil no terceiro ano. 

O presidente da CVM, Marcelo Barbosa, afirmou:

“A educação financeira é uma competência fundamental para o cidadão. Não apenas fortalece sua proteção, inclusive contra fraudes financeiras, mas também melhora o comportamento do indivíduo, ajudando a formar reservas, promovendo investimentos de longo prazo, fortalecendo a confiança da pessoa nas suas escolhas financeiras.”

- PUBLICIDADE -

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

‘Sou uma pessoa política’, diz Luiza Trajano

"Não sou candidata a nada, mas sou uma pessoa política", diz Luiza Trajano.

Saúde investirá R$ 14 milhões para qualificar atendimentos de urgência

Governo federal cria programa SOS de Ponta.

Brasil cria autoridade de segurança nuclear

Governo sanciona lei que cria autoridade de segurança nuclear.

São Paulo desativa barreiras sanitárias em aeroporto e terminais de ônibus

Medida ocorre devido à estabilização do número de casos de Covid-19.
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

NotíciasRELACIONADAS
Você também pode gostar...